fbpx

Como a numeracia se desenvolve na primeira infância, entrevista com Cristiane Boneto

Numeracia é a capacidade de usar números para contar e habilidades matemáticas para resolver problemas em situações da vida cotidiana.

Embora muitas habilidades de numeracia se desenvolvam mediante instrução formal, uma série delas também é promovida por meio de jogos, atividades e brincadeiras.

Essas práticas, que envolvem noções básicas numéricas, espaciais e geométricas, por exemplo, tendem a ampliar os resultados da aprendizagem no futuro, reduzindo as dificuldades das crianças na compreensão e na aquisição das habilidades matemáticas.

Para falar sobre formas de explorar a numeracia na primeira infância, convidamos Cristiane Boneto.


Carochinha: Como a família pode ajudar no desenvolvimento da numeracia?

Cristiane: Existem inúmeras ações cotidianas que podemos realizar com nossos filhos, sobrinhos, netos, enfim, com os nossos pequenos e que favorecem o desenvolvimento do pensamento matemático. Diferentemente do que às vezes imaginamos, muitas são bem simples e podem acontecer em situações corriqueiras – por exemplo, contar os pregadores ao ajudar a estender a roupa no varal ou resolver uma situação-problema acerca de quantos talheres faltam ao colocar os pratos na mesa. Além dessas provocações, vale reservar um tempo para criar problematizações capazes de favorecer o pensamento matemático, como:

  • brincar de montar blocos, separando-os de diferentes formas, como cor, tamanho, formato, peso (massa);
  • confeccionar um jogo de trilha em que a criança complete os números, identifique a quantidade sorteada no dado e a quantidade de casas a percorrer, o número de casas que faltam para terminar o jogo, quantas casas um jogado está à frente ou atrás do outro, quanto tempo ainda tem de jogo etc.

Carochinha: Há uma idade mínima para essas explorações?

Cristiane: Não, na verdade, é preciso pensar nas adaptações necessárias a cada faixa etária; por exemplo, crianças menores de 3 anos não devem manusear peças pequenas. Nesses casos, se o jogo precisar de um dado, é possível confeccionar um dado grande de espuma – o que pode ser muito divertido para o pequenos e ainda promover novas possibilidades, como brincadeiras de arremesso com as duas mãos, com uma mão só, jogar perto e depois longe, tentar acertar dentro de algum balde ou recipiente, além, claro, de contar a quantidade de bolinhas em cada face sorteada no dado, mostrando com os dedos a referida quantidade. Com bebês, uso de recursos visuais, auditivos e táteis são importantíssimos no desenvolvimento de inúmeras habilidades, inclusive, matemática. No banho, por exemplo, é possível contar os dedinhos do bebê realizando a recitação numérica, conversar mostrando que ele irá entrar “dentro” da banheira, dizer que o brinquedinho caiu “fora” da banheira, que ela está “cheia” ou “vazia” de água e, claro, propiciar experimentações com brinquedos educativos pensados para cada fase do desenvolvimento, lembrando que muitos podem ser confeccionados em casa mesmo!

“Inúmeras situações do cotidiano, nos mais variados espaços, podem favorecer o desenvolvimento de habilidades matemáticas como recitar os números, quantificar elementos, resolver problemas.”

Carochinha: E na escola? Como fazer com que a numeracia extrapole os conteúdos formais?

Cristiane: Como já conversamos, inúmeras situações do cotidiano, nos mais variados espaços, podem favorecer o desenvolvimento de habilidades matemáticas como recitar os números, quantificar elementos, resolver problemas. Na escola, os estudantes podem realizar experimentações que vão desde a contagem e o registro da quantidade de crianças presentes e ausentes até o brincar de corda utilizando parlendas e quadrinhas que contemplam a recitação numérica como “Quantos anos você tem..1,2.3..”. Desenhar um percurso numerado no chão para uma brincadeira, brincar com formas no tanque de areia e até confeccionar uma balança de cabides para comparar o “peso” (massa) de diferentes objetos são algumas possibilidades que podem ser pensadas pelo professor.

Carochinha: A literatura tem uma importante contribuição para o desenvolvimento da literacia. Podemos dizer que ela também é importante para a numeracia?

Cristiane: Com certeza! Desde a identificação de elementos como a quantidade de personagens, de objetos em um cenário, a posição em relação a um determinado ponto de referência até o pensar e criar estratégias para a resolução de conflitos e problemas vividos pelos personagens envolvem conhecimentos matemáticos.  Ao se deparar com uma história na qual é preciso repartir itens, a criança tem contato com a divisão; ao observar os elementos ilustrados, ela pode aprender sobre grandeza, proporcionalidade e perspectiva, por exemplo. Assim, a literatura se abre como um mundo de aprendizagens também para o desenvolvimento das habilidades matemáticas.


Veja os livros da Carochinha que trabalham esse assunto:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba novidades!

Cadastre-se e receba novidades da Carochinha Editora!

Você é educador?

Cadastre-se e acesse aos conteúdos restritos como atividades, projetos pedagógicos, vídeos de educadores, versão PDF do livro, além de descontos especiais para professores!

Fazer cadastro
Open chat